Como monitorar o sistema operacional Linux pela linha de comando – 1

Algumas vezes um sistema pode apresentar lentidão e demorar para responder e existem diversas razões que podem ser a causa raiz. Para identificar o processo que está consumindo memória, operações de entrada e saída no disco rígido e processamento você precisa utilizar ferramentas de linha de comando para analisar o que está acontecendo no sistema operacional.

Existem diversos aplicativos para monitorar um servidor Linux. Neste artigo nós veremos algumas ferramentas *top. Por exemplo, top é um ferramenta popular e instalada por padrão em muitas distribuições Linux, mas existem outras aplicações que você poderia conhecer como htop, iotop e atop, por exemplo.

Comando: top

A aplicação top fornece uma visualização dinâmica em tempo real da execução do sistema operacional. Ele pode exibir um resumo do sistema e também uma lista de processos ou threads que são gerenciadas pelo Kernel Linux.

Instalação (no Ubuntu): instalado por padrão em distribuições Linux.

O comando top mostra as informações do sistema de uma forma simples, mas existem atalhos de teclado que você pode utilizar para melhorar a sua análise.

  • c – exibe/oculta a caminho completo do processo/aplicação no sistema de arquivos;
  • 1 – exibe/oculta todos os cores da CPU;
  • H – exibe/oculta threads;
  • i – exibe/oculta tarefas ociosas;
  • u – filtra um processo pelo usuário especificado;
  • k – finaliza um processo;
  • d – configura o intervalo de tempo para exibir as informações;
  • h – exibe a ajuda.

top command

Cursos para Concurso do Senado Federal - Suporte de Sistemas

O atalho de teclado ‘i’ é uma das opções mais interessantes, pois exibe somente processos que estão utilizando recursos de sua máquina em tempo real. Experimente!

Mais informações em: man top

Comando: htop

Similar ao top, mas permite rolar verticalmente e horizontalmente pela lista de processos, o que permite a visualização de todos os processos em execução exibindo o caminho completo no sistema de arquivos para todos os processos. Tarefas relacionadas aos processos (finalização e redefinição de prioridade – renice) podem ser feitos sem informar seus PIDs (referência: man htop).

Instalação (no Ubuntu):

No htop mais informações e métricas resumidas são exibidas em relação ao top, como por exemplo, o contador de tarefas e status da bateria. Além de ter um maior número de informações resumidas, uma número maior de colunas na lista de processo podem ser adicionadas em htop -> F2 -> go to columns -> Available Columns e você verá todas colunas disponíveis).

htop command

Principais atalhos de teclado:

  • F2 – entra no setup para configuração do htop;
  • F5 – exibe os processos em uma estrutura em árvore;
  • F6 – seleciona uma coluna para ordenação;
  • u – filtra processos por um usuário específico;
  • P – ordena por processador;
  • M – ordena por memória;
  • T – ordena por tempo de execução.

Infelizmente não encontrei uma opção para esconder processos ociosos semelhantes comando ‘i’ do top.

Mais informações em: man htop e http://htop.sourceforge.net/

Fernando Mariano

Formado em Engenharia de Computação e atua como Administrador de Sistemas há mais de 9 anos e desenvolve sua startup no mercado de concursos públicos chamada Enter Concursos.

Você pode gostar...

7 Resultados

  1. Marcelo Lira disse:

    Dica muito boa!!! ajuda a entender os processos em uma estação!!!

  2. Deixo a minha sugestão de uma ferramenta, também excelente, o ATOP.

    Ele também complementa dados de processos com uso de disco, rede e até swap.

    A proposito, as legendas das imagens estão trocadas.

    Parabens pelo blog.

    Abraço.

  1. agosto 2, 2013

    […] Existem diversos aplicativos para monitorar um servidor Linux. Neste artigo nós veremos o top e htop.” [referência: mariano.eng.br] […]

  2. setembro 28, 2016

    […] Esta é segunda parte dos artigos sobre monitoramento de sistemas Linux onde serão abordados os comandos atop e iotop. No primeiro artigo da série foram vistos os comandos  top e htop. […]

  3. outubro 16, 2017

    […] ◄ Back Next ► Picture 1 of 2   […]

  4. outubro 16, 2017

    […] que aconteceu há algumas horas ou dias e o iotop, top, htop e atop – foram abordados na primeiro e segundo artigo sobre ferramentas de monitoração aqui no blog mariano.eng.br – não são […]

Deixe uma resposta